Você Não é Um Monstro por Sentir

 

Sejamos sinceros, por favor: a felicidade do outro incomoda. Se você analisar friamente, vai perceber que isso acontece de forma natural, mas é a nossa reação a isso que faz com que criemos um mecanismo de contra-ataque a essa inveja. Não estou dizendo que somos no mais absurdo nível do sentimento, mas que como seres humanos é da nossa natureza sentir tudo. Inclusive coisas ruins.

A felicidade alheia incomoda porque, certas vezes, te encontra trabalhando igual um louco para conseguir um resultado que não vem. Ou ainda não chegou. O problema é notar que alguém conquistou algo que 1) talvez você quisesse, 2) com menos esforço ou 3) se contentando com menos do que você aceitaria para si. Claro que as variáveis são mais numerosas que essas, mas eu quero que você pare de olhar para si como um monstro a cada vez que sente a inveja bater à porta, que sente aquele ciúme, a dor de cotovelo.

É extremamente normal, como é fácil ter raiva de alguém que comemora o gol do adversário no seu time – o que não quer dizer que você vai brigar com ele por causa disso. A vida é muito curta para você ficar se negando os sentimentos ou não admitir que os sente. É a partir da sua resposta que ele que, então, suas atitudes serão pautadas. Você não vai desejar que a felicidade que não te diz respeito acabe.

Ser mesquinho está além do simples fato de se sentir incomodado.

Vou repetir palavras aqui? Sim, porque quero colocar diante de você a perspectiva de ser gente. Ser humano. Sentir. Lidar com o que brota no peito. Ninguém está livre do mal, mas é conhecendo-o e aprendendo a transformá-lo em algo bom no peito que seguimos.

Existem dois potes cheios de sentimentos em nós. Um bom e outro ruim. Quando você notar que existe algo dentro do ruim, tome-o, analise-o e faça dele algo bom. Nós estamos aqui para aprendermos eternamente, isso é um fato, não para sermos reféns de pensamentos perfeccionistas sobre pessoas irreais.

Somos de carne, osso e erros.
Somos meros mortais aprendendo dia após o outro a viver melhor.

[ Gustavo Lacombe ]

“O Amor é Para os Raros”, meu segundo livro, pode ser reservado pelo link:
http://www.bit.ly/oAmorÉParaOsRaros

Saudade Eu Sinto Todo Dia

A rotina de carregar uma Saudade é como sentir todo dia a fisgada de um membro amputado. É como se faltasse uma parte literalmente. E é como se você sentisse que, mesmo apartada, esse pedaço seu ainda sinta tudo. Ainda dói, ainda ecoa forte o grito da amputação. Ainda parece que tudo está ali.

Mas, obviamente, você não está mais aqui.

Não sei os motivos e perdoe a minha ignorância em não querer sabê-los, mas hoje se comemora o dia da Saudade. Quem comemora? Comemorar o quê? Que a Vida está uma grande bosta, talvez? Que tudo está visivelmente no seu lugar, mas a arrumação não denuncia a falta do bem mais precioso que existe nessa casa: o Amor.

Sei que existem diversos tipos da Saudade, mas quase ninguém se lembrar de que ela pode ser boa. Saudade é uma doença da qual se aprende a controlar os surtos, até que uma hora ela volta com força. Não existe remédio, antídoto ou vacina. Existe, sim, a cura, mas sei que pra minha saudade eu nunca vou encontrar tal saída. Sei que terei de conviver com a certeza de que você não vai voltar.

Mesmo a porta continuando aberta, meu bem.

Pode ser que você não leia mais nada dessas sentimentalidades que eu escrevo e jogo pro Universo. Engraçado como a gente se pega falando tanto de um sentimento que parece possuir, mas, na verdade, o que existe é a grande ausência dele. As pessoas tem essa mania de falar daquilo que as falta, nunca aquilo que tem. Pedem desesperadamente para terem, mas esquecem de agradecer. Esquecem de valorizar.

Perder um grande Amor, dependendo das circunstâncias, deveria ser considerado crime. Porém, a pior prisão que existe se chama Arrependimento.  Divide-se a cela com a Culpa e o carcereiro é a nossa já falada amiga Saudade. E ela sempre vem, com seu sorriso amarelo, só pra lembrar que ninguém virá pagar a fiança. Eu sei que já não valho o preço.

Sei que a sua volta é uma aposta alta demais pra sua felicidade.

Sabe lá Deus por que hoje se comemora esse tão abominado dia, mas foi sufocado pelas lembranças que ainda carrego que decidi aliviar o peso do peito e te escrever. Talvez só sirva para a ferida voltar a sangrar. Talvez tenha um efeito bem melhor do que o esperado, mas falando em expectativa, eu apenas espero que você tenha chegado até o fim destas linhas.

Saudade eu sinto todo dia, toda hora.
Amor eu nunca deixei de sentir.

[ Gustavo Lacombe ]

“O Amor é Para os Raros”, meu segundo livro, está e pré-venda e pode ser adquirido aqui: http://www.bit.ly/oAmorÉParaOsRaros

Eu Sou Apenas a Cura Pro Teu Tédio

Não precisa me enganar com as mesmas desculpas. Eu já passei por isso uma vez e, acredite, já até fiz isso. Não acho errado você admitir as circunstâncias exatas em que me procura. Não vou pensar que é um caráter menor ou algo assim. Acho que tudo se trata da vontade que a gente gasta para estar com uma pessoa. E eu vejo no seu rosto que eu sou apenas uma cura pro teu tédio.

De vez em quando você vem, mexe as cordas, me vê fazer alguma graça pra te agradar, mas logo sente que tá perdendo tempo. Vejo no seu olhar a pressa de ver a hora passar, vejo seu relógio brigando contigo insistindo em andar vagarosamente. Eu vejo. Posso até me fazer de cego algumas vezes, mas esse meu teatro fica cada vez mais difícil quando te pego dizendo as coisas que você não sente.

Não precisa dizer que me ama pra me levar pra cama.

Se rola isso tudo entre a gente é porque existe consenso, existe a maturidade da escolha, existem duas pessoas que se querem. Eventualmente. Só corta essa de que sentiu minha falta, pensou em mim o dia todo, morreu de saudade, queria ter dormido agarradinho comigo. Corta, por favor. Eu sei que você não sente nada disso.

Pode ser sincero. Não tem problema ser só pele. Qual o mal em ser uma distração? Mas, por favor, não tenta transformar da boca pra fora aquilo que isso aqui não é. Não somos dois apaixonados que não se desgrudam. Posso até confessar que sou doida por você, mas não me dá tesão em cultivar isso quando a gente tá junto.

Enquanto eu for só a cura pro seu tédio, você não vai merecer mais do que recebe. Não é culpa minha dar aquilo que o outro entrega. Eu aprendi que recíproca é apenas um espelho do sentimento do outro. E enquanto você não me der nada, vai continuar recebendo o mesmo nada que me dá.

[ Gustavo Lacombe]

“O Amor é Para os Raros”, meu segundo livro, pode ser reservado aqui: http://www.bit.ly/oAmorÉParaOsRaros

O Segredo é Pôr Amor

A receita é antiga. Quantas vezes você ouviu alguém dizendo que se você fizesse aquilo que amava não teria que trabalhar nenhum dia da sua Vida? Milhões. Na inversão das palavras, amar aquilo com que se trabalha sempre pareceu ser classificado em segundo plano. Na linha lógica da cabeça dessa gente, o Amor servia como algo para tirar o peso das coisas, não se tornar um escravo cego das relações trabalhistas que podem se estabelecer.

É um exagero, claro, mas é por aí.

Primeiro porque uma das grandes verdades é que nem todo mundo sabe qual a sua razão de estar nesse Mundo. Estou dizendo laboralmente. Pensa que não tem uma vocação, não tem uma aptidão, e fica se encostando em alguma faculdade meia boca para ter um diploma e estudar pra concurso. Não que concurso não possa ser uma vocação, mas tem gente que se apoia nisso pra poder ter uma Vida tranquila, fazer alguma coisa que dê um bom salário e não se preocupar mais na Vida.

Por outro lado, tem aquela galera que escolhe a paixão. Decide viver de algo que é bem mais difícil de conseguir um retorno imediato e são esses que sofrem pressão da família e da sociedade para “serem alguém”. Lembro que um familiar sempre me perguntava o que eu seria e eu respondia “escritor”. Ele perguntava de novo “não, mas eu tô falando de trabalho mesmo, o que você quer fazer?”. Ilustradores e músicos sabem bem o que é isso também.

E, olha só, os dois tipos de pessoa descritos não são exemplos de amor pelo trabalho. O primeiro quer uma estabilidade, o segundo faz do seu Amor pela arte o seu trabalho. A diferença entre eles é clara, mas a relação do segundo com a atividade em si é bem diferente do cara levantar todo dia e pensar que tem que ir trabalhar, mas ele gosta. Eu sei, parece complicado.

Então, coloquemos assim:

O segredo de ser feliz é uma combinação entre ter tesão de levantar da cama para trabalhar, seja lá com o que for, com o quanto que, ao final do dia, aquela atividade te preenche o peito de satisfação.Não importa se você trabalha de casa, num escritório, na rua, ou onde seja. Encostar a cabeça no travesseiro e saber que se está no rumo certo do seu coração é o que conta de verdade.

No meio disso tudo haverá, sem dúvida, a questão de obter ou não reconhecimento, ganhar ou não dinheiro, status, fama, mas também terá a alma sendo alimentada, a vida sendo construída e o seu papel no Mundo sendo definido. Isso quando não surge aquela louca vontade de jogar tudo pro alto e fazer qualquer outra coisa.

E, claro, haverá o Amor.

Não existe melhor motivador para durar uma Vida inteira do que o Amor. E não tenha dúvidas de que mesmo escolhendo fazer algo para o qual os outros viram a cara, a ralação e a dedicação terão de ser tão ou mais intensas que aquela de um cargo mais tradicional. Nessas horas, o que te sustenta é a certeza de que você quer e nasceu para aquilo. O que te faz não desistir é saber que sua Vida ficaria sem propósito. E aí, você vai lá e coloca tudo que tem.

Põe seu tempo, sua Vida e seu Amor.
E confia que vai dar certo.

[ Gustavo Lacombe ]

“O Amor É Para Os Raros”, meu segundo livro, pode ser encontrado aqui: http://www.bit.ly/oAmorÉParaOsRaros

Olhos de Menina-Mulher Capturados numa Foto Qualquer

Eu adoro essa sua foto. Sei que ela é muito parecida com milhares de outras, mas acho que você colocá-la no perfil de várias redes me ajudou a olhar mais atentamente pra ela. Não foi somente o seu sorriso meio de lado e sem graça que me fez gostar tanto dela. Acho que nem mesmo foi por conta do decote que valoriza demais uma das partes mais lindas que você tem.
Digamos, pra resumir, que foi pelo conjunto da obra.
Tenho a nítida sensação de que você tirou essa foto pensando em mim. E, se não foi, não estrague a minha ilusão. É só um devaneio maluco aqui parar para explicar o que eu sinto ao encarar teus olhar no retrato, mas é uma loucura vinda de coração. Do coração. De algum lugar dentro de mim que já tinha esquecido que existia e você me fez lembrar.
Aliás, preciso admitir que é um misto a origem das sensações ao te ver ali revelada. Eu penso no tanto que ainda quero descobrir desse brilho que sai naturalmente de você, quero tanto ainda poder ter o privilégio de tirar a tua roupa, quero tanto dessa coisa gostosa que é dividir as pequenas coisas contigo.
Um banho por exemplo.
Ainda assim, uma das coisas que acho que mais gosto nela é como não consigo colocar apenas uma legenda. Teus olhos de menina-mulher capturados numa foto qualquer; sedutores e ao mesmo tempo cheios de desdém: das coisas mais poderosas que você tem. E se eu pudesse eleger o que em você mais faz o meu coração vibrar, diria que é essa capacidade de apenas me olhar e saber exatamente o que quero.
Talvez isso seja fruto da previsibilidade de todo homem. Talvez seja da percepção de toda mulher. Talvez seja uma sintonia só nossa mesmo, coisa do sentimento que passa um do outro. Talvez seja uma loucura minha e, na verdade, eu que sempre entrego de bandeja tudo que sinto e que sou pra você. Talvez seja tudo isso junto.
Só sei, meu bem, que essa foto resume bem o que você é: alguém que faz até a câmera saber a sorte que tem de poder te guardar num clique do obturador.
[ Gustavo Lacombe ]
“O Amor É Para Os Raros”, meu segundo livro, pode ser reservado aqui: http://www.bit.ly/oAmorÉParaOsRaros

Eu vou te amar pra sempre.

Eu vou te amar pra sempre. Talvez você não entenda isso agora, mas quando nós dois formos velhinhos e você olhar aquele nosso retrato junto. Vai se lembrar do cara que tentava te fazer sorrir, mas que acabou te fazendo chorar também. Vai recordar alguns erros meus e tentar lembrar porque não demos certo. Talvez, ali, vai sorrir ao imaginar que num Universo paralelo nós poderíamos estar juntos.
Longe demais um do outro agora.
Sabe lá se você ainda vai ter alguma notícia minha. Provavelmente, não. Serei um memória apenas. Memória daquelas que você vai esperar suas netas crescerem para contar a elas todas as loucuras que cometemos enquanto estivemos juntos. Inclusive a vez que você achou que tivesse grávida, mas era só um alarme falso.
Sei que estarei em outros momentos também. Talvez quando você ouvir chamando o meu nome, mas que obviamente é de outra pessoa. Ou, então, quando estiver numa daquelas lojas de suco e ver no cardápio o meu favorito. Os meus favoritos. Lembrar que eu amava tomar açaí e que mal dividia com as pessoas. Vai lembrar. E, pode apostar, eu ainda vou estar te amando nesse dia.
Porque o amor não se vai dessa maneira que muitos pensam. Ele não some, não pede as contas e se muda. Não deixa uma carta e desaparece. Ele se torna inquilino eterno de nós. E você vai saber, não sei de que jeito, mas saberá, que eu ainda estarei com esse sentimento no meu peito ao recordar o que fomos.
Se éramos algo tão bom, você se perguntará, por que então tivemos que viver aquele desfecho? Talvez você chore. De novo. Talvez você recorde os meus erros e queira me bater de novo por ter jogado fora tudo isso que criamos. O que era lindo e se acabou. O que marcou nós dois de um jeito que vai ser pra sempre.
Eterno em nossos corações.
Espero, sinceramente, que você se alegre depois disso. Porque se eu já não consigo conviver com a certeza de que seremos apenas uma lembrança, quanto mais em saber que mesmo daqui há muito tempo você ainda se entristecerá comigo. Ria, por favor. Lembre das vezes que contei uma piada ruim. De quando te esperei com uma flor na mão. De quando fizemos amor. De quantos planos a gente fez.
E um permaneceu: sentir eternamente esse amor.
Eu sei que vou te amar pra sempre.
[ Gustavo Lacombe ]
“O Amor é Para os Raros”, meu segundo livro, pode ser reservado aqui: http://www.bit.ly/oAmorÉParaOsRaros

Não Se Entende o Amor Sozinho

Você pode querer teorizar o Amor de diversas maneiras, mas só vai achar as explicações necessárias para compreendê-lo por inteiro quando tiver alguém que o pratique contigo. Quando encontrar quem passe tudo aquilo que você imagina para a realidade. Quando você se sente forte o bastante para expor suas fraquezas e se mostrar – como nunca teve coragem de mostrar pra ninguém. É aí que se descobre que não existe Amor perfeito. Não há casal sem dificuldade. Não há um namoro que não enfrente obstáculo. Na verdade, tudo aquilo de bom que acontece é permeado por uma série de coisas ruins, mas que ainda assim valem à pena quando você encontra quem te mostra que vale ter um sentimento lindo desse no peito. Você descobre, então, todos os defeitos do outro, os vícios do outro, as anormalidades do outro. Esses desvios que todos tem. Porém, ter a certeza de que se está alguém com quem vale dividir uma Vida toda, isso é para poucos. Há quem diga as mais belas palavras sobre relacionamentos, mas que não tem ideia do que fazer quando tem a oportunidade de construir algo de verdade. Não se entende o Amor sozinho. Só quem se abre, só quem se deixa abraçar, só quem se deixa livrar das teorias e invadir pelo o que realmente é.

[ Gustavo Lacombe ]

 

– Textos, Ideias e Poesias –

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.640 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: