Olhar no vazio

Ela se constrangeu.

Virou a cara, não sabia para onde olhar. Deveria existir um outro motivo, mas não aquele. Por que, Deus? Só pra sacanear? Só pra começar o dia com o pé esquerdo? Era castigo demais. Não podia ser verdade aquilo. Demorou uns segundos a mais ate conseguir encarar, mal acreditando que aquilo, logo aquilo, tinha acontecido com ela.

Quando finalmente conseguiu levantar, sentiu o peso no corpo e na consciência. Caminhou até o banheiro com um passo trôpego. Talvez fosse o resquício da noite anterior. Ainda tentava entender, e poderia adivinhar que isso duraria pelo menos uns três próximos dias, o porquê de ter cedido. Hoje ela seria culpa. Nada mais. Se vestiria de preto, num luto simbólico. Só porque cedeu.

Abriu o chuveiro, demorou mais que o habitual, ensaboou-se sem pressa, deixou que a água quente percorresse o seu corpo molhando cada parte. Parecia ainda estar em ebulição, mas sabia que era apenas reflexo do esforço final passado. Shampoo e condicionador para tirar os vestígios e dar vida a uma pessoa que tinha morrido e não sabia, que tinha se deixado abater e detestava o predador.

Saiu do box, se enrolou na toalha e o mundo pareceu desabar. Alguma coisa a abraçava além daquele tecido felpudo. O que era culpa se transformou em algo pior. Ela não sabia como sair dali e ao ver um sorriso refletido no espelho, soube que tinha ido longe demais ao se deixar levar pelas palavras dele.

Ex-namorados, por que existem?

(G. Lacombe)

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s