O Amor é mágico

Queria que a minha vida tivesse a mágica dos contos de fada, dos livros, das séries da televisão. Ou das histórias que podemos inventar com a nossa imaginação. Não seria nada mal fazer coisas desaparecerem, levitarem ou ter um superpoder. Talvez eu não tenha vocação para ser herói, mas com certeza não me juntaria aos vilões. Queria que, num delírio de criança crescida, pudesse viajar no tempo, mas não ousaria mexer seria no que foi feito.

Somos prisioneiros de nossas escolhas.

Encaro isso de uma forma boa. As estradas que seguimos são nossas opções tomadas. E mesmo não sendo todas tão bem acertadas, nunca é tarde para se traçar uma nova. Entenda apenas que não se encontrará nada no lugar se, um dia, quiser voltar aonde já se esteve. Como li certa vez de um filósofo, o encontro de alguém com um rio nunca é o mesmo, mesmo você ainda sendo você e o rio ainda sendo o mesmo rio.

Não há nada que me faça crer que esse poder de decisão, sim, é a mágica da vida. Eu posso querer, num surto infantil, desejar fazer truques como os que me contavam quando era menor. Só que a mágica acontece nos nossos dias e nem percebemos. Quem nunca se espantou com uma atitude tão imprevisível quanto um coelho saindo da cartola? Quem nunca se admirou com um sorriso substituindo um choro tão impossível quanto algo que desaparece sob um pano?

Me diz: quem nunca pediu perdão tentando consertar o passado?

Por mais que a fantasia pareça interessante e mexa muito mais com a nossa imaginação, são as coisas que se podem realizar aqui e nesse plano, partindo do nosso livre arbítrio, que são os verdadeiros milagres. Eles, às vezes, acontecem a conta-gotas. É quando um pai trabalha um dia inteiro pela comida do filho. É quando se dá mais um passo ínfimo rumo ao sonho. É a esperança de que até as fases ruins passam, nos fazendo valorizar as boas quando chegam.

Desejaria poderes, mas sei que não há poder maior do que amar. E como disse um tio de um super-herói desses por aí, “com grandes poderes vem grandes responsabilidades”. É preciso saber o que fazer com ele, mesmo se deixando levar algumas vezes. Amar é como o número que acontece, de repente, diante de nossos olhos incrédulos. O Amor transforma, muda, faz coisas grandiosas. Assim como nos contos, pode ser usado para bem e para o mal, mas a sabemos que o bem sempre vence no final.

Abracadabra. O amor, sim, é a raiz dos pequenos milagres cotidianos. Nos faz tomar as decisões e seguir nossos próprios caminhos. Não há dinheiro que o compre ou elementos que o fabriquem. É algo que nasce conosco. Torna coisas, atitudes e pessoas melhores. Tudo que é feito com ele tem a capacidade de voltar para nós em forma de mais amor. Se multiplica como só a imaginação consegue prever.

O Amor é a mágica que cada um de nós carrega dentro de si.

(Gustavo Lacombe)

Anúncios