tumblr_m6e2n21HUf1qbguc7o1_500_large

(Recomenda-se ler esse texto ouvindo a música “Oração ao Tempo”, de Caetano Veloso)

Esses dias andam quente.

Quentes de rachar. Fico lembrando da última vez que tirei um casaco do armário e chego a conclusão de que o Tempo tem andado muito rápido. Pra quê corre, Senhor? Quer ser notado ou tem corrido desse jeito só porque eu fico achando que te tenho por inteiro? Eu sei que não. Já aprendi nos momentos que quis que o Senhor voltasse, mas você sempre me repetia “siga e olhe para frente”. Nem ao menos me pedia desculpas, apenas firmava o passo rumo ao horizonte e ia.

Esses dias andam quente de se perguntar se em qualquer outro lugar seria melhor viver. E cadê coragem pra largar tudo? O Tempo ri de lado e sacode a cabeça parecendo dizer “você não sabe de nada”. E se esse pensamento realmente não for uma bobagem? Quem me garante que vai servir pra alguma coisa? Tudo se comprova no Tempo – Senhor compositor de Destinos.

Não há tratos com o Tempo que não se desfaçam na primeira Saudade. É do ser humano reviver e reaflorar emoções que já passaram, ainda que no escuro de um quarto ou na falta de um dia mais frio. E esses dias tem feito tanto calor que qualquer pessoa que saia na rua já é tomado por aquela sensação de cadê-a-sombra-por-favor. Só se percebe o valor de certas coisas assim, quando elas nos faltam.

O Tempo faz o mesmo.

Você o ignora, ele levanta da mesa e, quando se percebe, está pedindo para ele voltar. Não irá. É preciso ir atrás dele. E, por fim, ao alcançá-lo, encontra-se nele um templo onde pedidos são aceitos e deixados por vezes ao seus pés. Tempo, um dos Deuses mais lindos, que continue trazendo esses dias, quentes ou não, em que continuo compondo meu destino.

[ Gustavo Lacombe ]

http://www.facebook.com/GustavoLacombeTextos

Anúncios