A rotina de carregar uma Saudade é como sentir todo dia a fisgada de um membro amputado. É como se faltasse uma parte literalmente. E é como se você sentisse que, mesmo apartada, esse pedaço seu ainda sinta tudo. Ainda dói, ainda ecoa forte o grito da amputação. Ainda parece que tudo está ali.

Mas, obviamente, você não está mais aqui.

Não sei os motivos e perdoe a minha ignorância em não querer sabê-los, mas hoje se comemora o dia da Saudade. Quem comemora? Comemorar o quê? Que a Vida está uma grande bosta, talvez? Que tudo está visivelmente no seu lugar, mas a arrumação não denuncia a falta do bem mais precioso que existe nessa casa: o Amor.

Sei que existem diversos tipos da Saudade, mas quase ninguém se lembrar de que ela pode ser boa. Saudade é uma doença da qual se aprende a controlar os surtos, até que uma hora ela volta com força. Não existe remédio, antídoto ou vacina. Existe, sim, a cura, mas sei que pra minha saudade eu nunca vou encontrar tal saída. Sei que terei de conviver com a certeza de que você não vai voltar.

Mesmo a porta continuando aberta, meu bem.

Pode ser que você não leia mais nada dessas sentimentalidades que eu escrevo e jogo pro Universo. Engraçado como a gente se pega falando tanto de um sentimento que parece possuir, mas, na verdade, o que existe é a grande ausência dele. As pessoas tem essa mania de falar daquilo que as falta, nunca aquilo que tem. Pedem desesperadamente para terem, mas esquecem de agradecer. Esquecem de valorizar.

Perder um grande Amor, dependendo das circunstâncias, deveria ser considerado crime. Porém, a pior prisão que existe se chama Arrependimento.  Divide-se a cela com a Culpa e o carcereiro é a nossa já falada amiga Saudade. E ela sempre vem, com seu sorriso amarelo, só pra lembrar que ninguém virá pagar a fiança. Eu sei que já não valho o preço.

Sei que a sua volta é uma aposta alta demais pra sua felicidade.

Sabe lá Deus por que hoje se comemora esse tão abominado dia, mas foi sufocado pelas lembranças que ainda carrego que decidi aliviar o peso do peito e te escrever. Talvez só sirva para a ferida voltar a sangrar. Talvez tenha um efeito bem melhor do que o esperado, mas falando em expectativa, eu apenas espero que você tenha chegado até o fim destas linhas.

Saudade eu sinto todo dia, toda hora.
Amor eu nunca deixei de sentir.

[ Gustavo Lacombe ]

“O Amor é Para os Raros”, meu segundo livro, está e pré-venda e pode ser adquirido aqui: http://bit.ly/AmorParaRaros