Demora até que a gente entenda que amar não dói. Como poderia um sentimento tão bonito causar tamanho dano? Não me conformo quando ouço por aí que o gostar tem causado feridas, cortes e hematomas em almas e corações que se abriram. Não culpem o querer, o desejo, o Amor. Achem outras justificativas, mas livrem-se dessa.

Se você quiser argumentar que o foi só baixar a guarda que algo de ruim aconteceu, vou retrucar te mostrando que foi a decepção ao tentar se entregar que estragou o que havia de bonito. Foi o outro, na besteira feita, que quebrou a confiança e provocou o ferimento. Teu sentimento passa inocente por isso. Não pode ser acusado do delito.

Claro que existirão mil e outros motivos para as coisas não darem certo. Acredito que, quando nos jogamos, corremos uma série de riscos. Eles são inevitáveis e não adianta querer passar longe deles. Ainda assim, se abrir não é o erro. O outro brincar contigo é. A quebra de confiança é. O egoísmo também.

Amar não.

O resultado de uma decepção sempre é o medo de se ferir novamente. Cria-se, também, o medo de cultivar o sentimento mais uma vez. Entendo quando alguém, então, declara que fechará o coração e não vai querer se abrir durante um tempo. Porém, não adianta se enganar: o defeito não é amar, é desperdiçar o amor que é entregue.

[ Gustavo Lacombe ]

“O Amor é Para os Raros”, meu segundo livro, pode ser reservado aqui: http://bit.ly/AmorParaRaros

Anúncios