Tem gente que ama, ama tanto, que o Amor que transborda acaba entornando. A briga é inevitável; por ciúme ou deslize. Abre-se uma ferida, mas é esse mesmo Amor que encerra a crise. Há os que escrevam e coloquem pra fora. Compõem versos, poemas, rimas e prosa. Até quem não se dá bem com o português acaba se tornando poeta – nem que seja uma única vez. Tem uns meio malucos que adoram sofrer. Abrem mão do amado, de ser feliz e viver. Porém, são esses que entendem que o sentimento não é prisão, são asas livres pra tirar quem se ama do chão. Por aí se encontra quem julga saber de tudo, mas não percebem que seremos eternos aprendizes no Mundo. Quem puder definir para todos o que é o Amor, certamente vai deixar escapar um detalhe, uma flor. Conheço histórias de quem desistiu, mas logo depois encontrou abrigo pro frio. E quantos casais dizendo que “nunca mais!” mal conseguiram um dia em paz!? Há quem faça de amar uma operação. Aplica bolsa, investe na especulação. Cria expectativa sem parar pra pensar que não adianta prever, o negócio é amar. Tem gente que ama o que já passou. E acham que essa saudade o sinônimo de Amor. Os arrependidos, os desesperados, os que se entregam, os que acham fácil. Tem de todos os tipos, tamanhos e rostos. Amor é de pele, de olhar e de gosto. Aos que fecham seus corações, meu profundo pesar. É como ter um guarda chuva na tempestade e querer se molhar. Não há proteção ao expulsar um novo alguém. É dar margem a decepção que não deveria ir além. Quem te machucou, eu garanto, ainda está aprendendo. Mais cedo ou mais tarde vai se dar conta do erro. Aos apaixonados e que estão contentes, vai meu muito obrigado pela inspiração recorrente. Acho que já aprendemos que nada nos fará escapar da morte. Então, que pelo menos de amar em Vida nós tenhamos sorte.

[ Gustavo Lacombe ]

“Destino, Acaso ou Algo Mais Forte”, meu segundo livro, pode ser comprado aqui: www.bit.ly/oAmorÉParaOsRaros

Anúncios