A inocência de acreditar no “Pra Sempre”

Aconteceu muito de repente. Pra mim, pelo menos. Não esperava que ele viesse com tão poucas palavras, mas tanto a dizer. Não esperava que o olhar mudo conseguisse traduzir, ao final daquela frase, o que eu supus que nunca chegaria. Doce inocência de quem ama acreditar que o “pra sempre” pode acontecer. Justo comigo. Justo com a gente.

Injusto demais, desculpa dizer.

A decisão era algo concreto no rosto, nos gestos e na Vida dele. Me comunicou com profundo pesar, mas como um apresentador de telejornal que na notícia seguinte fala dos gols da rodada. “Vou ter que partir”, falou. Simples e direto. Preciso, cirúrgico. De uma polidez que achei até fria. De uma valentia em ser indiferente ao sofrimento que me causava e que ele sentia, mas que não parecia demonstrar.

Caralho, até ontem nós éramos juras. Até ontem meu corpo pressionava o seu e você me dizia que eu era a mulher. Que eu tinha o beijo mais gostoso, que a boca era a mais macia, que nunca tinha feito amor como fazia comigo. Que porra é essa de chegar dizendo que vai ser melhor assim. Melhor pra quem? Melhora pra quem, porra!?

Fica calma, não. Fico não.

Talvez amanhã eu rasgue nossos retratos. E não quero essa cara de que eu posso fazer o que quiser. Nem essa outra de que eu tenho razão. Não queria ter razão, queria ter amor. O seu amor. Você tem ideia do quanto ainda é importante pra mim? E agora, só porque você vai ser transferido e mudar de cidade, julga que é melhor pra nós dois chegarmos ao fim.

Tem alguma coisa aí. Ou você já não me amava mais há algum tempo ou tem alguém por trás desse término. Eu sei. Não é possível que você abra mão de nós dois assim, como quem descarta uma latinha de refrigerante depois de beber. Ou quem joga fora um doce pela metade porque enjoou de comer.

Se é isso mesmo que você quer, vai.

Aprendi que não se deve segurar quem não quer ficar. Não vou gastar minhas forças tentando te explicar o que pra você já está mais do que claro. Se você não me quer e não há o que eu possa fazer, tenho certeza de que vou sofrer o bastante pra me reencontrar. E vai passar. É foda pensar que vai, mas eu sei que passará.

Pode ir.

[ Gustavo Lacombe ]

Meu segundo livro:
http://bit.ly/AmorParaRaros

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s