Só não esquece da bater a porta e não pedir pra voltar

E assim que ela dobrou a esquina já sabia que não voltaria. Não por aquele motivo, não por aquele porquê. Era a última conversa, a derradeira discussão que teriam. Já ficou meio possessa só de chegar e ele demorar pra abrir.
“Tava no banho, foi mal”, ele se desculpou.
“Eu disse que tava chegando”, ela argumentou.
O clima não era dos melhores. Aliás, já tinham se acostumado a ser dos piores. Ela sentou no sofá, pediu um copo d´água. Ele foi na cozinha, voltou com uma garrafa. Fala, pediu. Ela emudeceu. Tinha ensaiado tanto, mas agora a cabeça dava branco. Como terminar aquilo que já parecia ter tido seu fim?
“Melhor a gente acabar”
“Já estava acabado”
“Pra quê que eu vim, então?”
“Não sei, eu só atendi a ligação e disse que você poderia vir”
“Vou embora”
“Só não esquece da bater a porta e não pedir pra voltar”
“Eu não volto atrás”
“Quem tá falando de você? Quem foi que traiu aqui?”
Ficaram em silêncio. Ela quase chorou, mas se lembrou que morreria, mas não pediria a ele um lenço. Foda-se, pensou. A relação era abusiva, ele controlava as saídas, regulava as amigas, falava mal até das vizinhas. Me queria pra si, mas eu sou do Mundo. Acabou caindo na conversa de um outro cara. Jogo sujo.
Ele descobriu sem querer. Pegou uma mensagem dizendo “quando cê vem me ver?”. Pediu explicação e ela gaguejou. Disse que a carne era fraca e emendou com “eu te amo, meu amor”. Ama quem? Quem ama não faz o que você fez. Ela o segurou pelas costas, ele mandou um “você virou só mais uma ex”. Choraram. Ele quase bateu o carro no dia seguinte indo pro trabalho. Ela perdeu uma semana de aula, alugou as amigas e sentiu que não tinha volta.
“Queria pedir desculpas”
“Tudo bem, eu aceito”
“Eu ainda te amo”
“E o que você acha que ainda tem no meu peito? É claro que eu ainda gosto, mas não tô afim de continuar. Preciso de um tempo, pelo menos pra pensar. Confiança, pra mim, é o bem mais forte e frágil que existe. Mantém de pé uma relação inteira, mas quando se desfaz nunca mais é a mesma. Não sei se vale o preço te deixar voltar.”
“Você fala como se fosse o melhor namorado e era um bosta, vamos combinar…”
“Então, por que não terminou? Por que não decretou o fim antes de fazer o que fez?”
“Eu fui idiota”
“Valeu, Ex”
E ela chorou de novo. Pegou a bolsa e partiu. Não ia ficar ali argumentando sobre o que nem ao menos estava por um fio. “Acabou”, refletiu enquanto encostava a cabeça no travesseiro. A gente paga pelos erros, pelos deslizes e faz algo no presente achando que vai ser momentaneamente feliz. Besteira. Quando se confunde aquilo que mais se quer no presente com o que mais se quer pra Vida inteira, a receita é essa: arrependimento servido frio à mesa.
E o que restou foi uma mensagem que ela só leu no outro dia. Um textinho simples que aquilo tudo resumia:
“Só fico me perguntando por que você não tentou me alertar. Se eu era tão ruim, por que não me apontar? Sei que eu não era perfeito, não sou e nunca vou ser. Mas fica martelando essa história toda, fico vendo a cena toda, fico maluco em pensar em você com outro. Dá pra entender? Eu posso até aprender a viver sem você, mas não consigo dizer se conseguiria te olhar todo dia e em algum momento esquecer. Prefiro partir e sufocar no meu peito o Amor que ainda sinto e vou levar aqui dentro. Prefiro terminar – e podem até dizer que quem ama tem que perdoar. Eu te perdoo, mas não volto pra você. Obrigado por tudo vivido, mas simplesmente não dá.”
Fim.
[ Gustavo Lacombe ]
Para ler mais de mim, compre meus livros!
Aqui: bit.do/Lacombe
Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s