Meu Melhor Presente

Esse ano foi tenso. E uso o “tenso” como um adjetivo negativo e positivo ao mesmo tempo. O viés negativo vem do tanto de notícia ruim que recebemos. Tragédias, dores, mortes e uma barbárie no meio dessa confusão que se instalou no país. Positivo porque, mesmo diante de tantas coisas ruins, acho que minha vida andou de uma forma bastante boa e eu cresci como pessoa. E, no meio disso tudo, ainda me veio você.

Agradeço por ter te encontrado. Sei que cheguei num período meio conturbado pra você, mas fomos nos acertando e curtindo a presença do outro. Fomos aprendendo as particularidades, as nuances e descobrindo o que se escondia na história de cada um. Você me contando vitórias, derrotas e traumas. Eu, do meu jeito, fui também me abrindo e dizendo dos meus medos, me deixando mergulhar nos seus olhos.

E eu ainda te olho.

Se deixar amar é uma das maiores lições que podemos receber. Nos acostumamos a exacerbar nossos defeitos e ter raiva do espelho. Raiva das nossas escolhas. Contigo eu percebi que o carinho por nós mesmos é fundamental. E até mesmo quando falei algo que te feriu, recebi teu colo dizendo que erramos mesmo e que aquilo também ia passar. Importante era o meu arrependimento genuíno.

Sobre colo, perdi a conta de quantas vezes procurei teu braço no meio da noite ou do dia só pra me ajeitar e descansar no teu carinho. Também não sei dizer o número de situações em que te vi sorrir ao meu lado depois de fazer amor – e os dois se olhavam com aquela certeza de que cada momento junto valia. E vale. E como uma piada interna que só a gente entende: ainda te olho. Fundo. Me enxergando na sua pupila dilatada.

Refletindo o Amor.

Meu melhor presente esse ano foi você, como um Natal fora de época ou um aniversário que entregou o presente um pouco mais tarde. Virou meu vício com cada beijo que me acende, as mãos que me instigam e a companhia que me completa. Meu porto, onde tenho o mais perfeito abraço. Meu melhor, procurado só pra te entregar em encontros que matam saudades, afinam nossa sintonia e repetem baixinho que eu poderia morar em você.

Te olhando pra sempre.

[ Gustavo Lacombe ]

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s