Nosso Quarto é Nosso Mundo

[ Você pode ler esse texto ouvindo “Ride” – SoMo]

A porta do quarto bate. O ar condicionado já fez a sua parte e eu posso sentir os pelinhos das costas dela se arrepiando conforme eu chego perto. Respiro perto. Ela, de bruços, tem a cabeça apoiada no travesseiro e está só de calcinha. Eu pego o telefone, coloco uma playlist com as músicas que a gente já conhece de trás pra frente e vejo o sorriso se abrindo. O som toma conta do ambiente. Na minha cabeça, ninguém pode nos ouvir. É como se as janelas, a porta, as paredes e aquela caixinha de som fossem o suficiente para nos isolar do resto do Mundo e, já que aqui assim estamos, todo barulho que fizermos é possível. Transar fazendo barulho é bom, mas com aquela música no fundo é sensacional. Eu corro meus dedos por toda extensão do corpo dela e sinto que estamos gravitando um ao redor do outro. É como se o meu tesão fosse apenas um objeto ao redor de seu corpo celeste. Sendo isso, as pintas pelo corpo dela são as constelações que o sexo me faz desenhar ligando os pontos e percebendo que poderia ter escrito qualquer frase que no fim dissesse o quanto sou louco por ela. E por aquela raba (ela ri quando falo assim). E por aqueles peitos (ela também gosta dos próprios peitos). E pela cor da boceta quando fica molhada. E é lá que estou agora. E é aqui que poderia enterrar minha língua, deixar minhas vontades e saciar o desejo todo dela. Só que ela quer mais. Pede pra meter, pra socar. Fica de quatro, pede pra vir pra cima e nem tente acompanhar com a descrição de todas as posições. Se tem dias que a gente fica numa só, noutros passeamos por toda casa e nem kama-sutra dá jeito. Quando o suor escorre e o aparelho de ar não consegue mais dar vazão à febre que nós sentimos um pelo outro, ela solta um último gemido, gozando com força e me abraçando gostoso. Ela é dessas de transar um tanto violento e ficar molinha depois do orgasmo. E eu aqui, ligando pontos nas pintas e orbitando ao redor do sorriso dessa mulher.

[ Gustavo Lacombe ]

Quer me ler mais? Compre meus livros! Aqui:

Anúncios

1 comentário

  1. Aiii assim tu matar a vivente Lacombe eu aqui sozinha e vem esse texto me provocar cuidado…te admiro e sou tu fã mas tem dias que fico só esperando esse texto para poder me estimular hoje você se superou está de parabéns nossa imaginação com textos gostosos de ler continue sempre como teu essencial trabalho és muito bom no que escrever imaginei até a cena 💋💋💋💋

    Curtir

Deixe uma resposta para tete Antunes Cancelar resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s