Quem inventou saudade…

Tem dias que a saudade chega como a brisa do mar. Toca o rosto, faz carinho. Chega a ser dengo. É gostosa e nos faz sorrir com o coração leve, ainda que apertado de um jeito delicado. Nesses dias, a dor é inexistente. Sobra gratidão pelo que se vive.

Noutros, porém, saudade é uma porrada no meio dos córneos. São as duas mãos no peito e um empurrão sem cerimônia alguma. É pra te derrubar mesmo. É pior que a pior das cachaças e bruta feito coice de mula, que acerta em cheio e tira todo o ar do sujeito.

E pior ainda é quando essa saudade vem acompanhada de um fogo inexplicável. Ou melhor, entendível de só ser passível de arrefecimento quando a pele encosta, quando o beijo explode, quando as mãos encontram seus caminhos naturais pelo corpo de quem se deseja, se quer e pede.

Nesses dias, saudade é tormento. É quase desgraça. É incêndio que não se vê, mas se sente. Banho frio não apaga, só deixa a água quente. Resolver sozinho não contenta, só aumenta a solidão de repente. Nesses dias, só o suor do corpo com corpo dá jeito no fogo.

Ainda assim, mesmo que enlouquecendo, qualquer um concorda que é melhor sentir essa saudade que aquela em que nada dá pé ou jeito. Aquela que transforma qualquer peito em terreno árido, infértil. Sem esperança. É saudade levada como fardo pelos que deixaram secar um grande amor.

E que quando brota comprova que saudade não mata, mas nos faz morrer um pouquinho mais depressa a cada dia.

[ Gustavo Lacombe ]

Publicado por

Gustavo Lacombe

Gustavo Lacombe, trinta e um anos seguindo com uma vontade de escrever sendo lapidada todos os dias com muito suor e ideias. Tem a certeza de que será preciso quebrar muito a cabeça até conseguir chegar a algum lugar. Escreve por esporte, paixão e prazer - foi assim que fez seus quatro livros. Carioca da gema, acredita no amor bonito, ainda que o amor tenha diversas facetas não tão bonitas assim. Romântico, corredor de fim de tarde e feliz proprietário de um bom violão. É no blog, na página (fb.com/GustavoLacombeTextos) e no instagram (@glacombetextos) que, volta e meia, despeja o que lhe inspira, expira e vive. Ou queria ter vivido.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s