Imagem

O Amor Aceita Tudo

O Amor aceita tudo. Aceita que pessoas completamente diferentes podem se encontrar e dar um jeito para ficarem juntas. Aquelas pessoas que as outras pessoas olham meio torto, sabe?, sem entender como que elas estão construindo algo. Pois bem, o Amor as aceita assim como elas são e elas, sabendo da limitação de cada um, apostam no que podem ser. Juntos. O Amor aceita que gente completamente parecida, com gênios fortes parecidos, com personalidades fortes parecidas, com indecisões parecidas, tenham um relacionamento gostoso. Mesmo que elas briguem muito, que volta e meia entrem numa discussão exatamente pelo caráter muito similar que cada uma tem. O Amor as aceita, abre os braços e segue firme a sua caminhada. O Amor aceita que você ame alguém sem recíproca. Sendo genuíno, uma hora ele entende que deve continuar sua trajetória e passa a desejar com toda a sua força o bem daquela pessoa que se amou. É claro que seria muito melhor que o sentimento fosse correspondido, mas não sendo, o Amor deseja sorte – para quem vai, para quem fica e para o próximo encontro. O Amor até aceita que alguém brinque com ele. Desperdice-o. Aceita que o outro teve a coragem de exercer o seu livre arbítrio e fez uma escolha. Machucou? Sim, mas nem por isso ele nega o que houve. Aceita que houve um erro e decide se quer ficar ou não, decide se perdoa ou não (que no final acabam sendo coisas diferentes). O Amor ainda aceita que você seja covarde. Que você não se declare. Que perca a oportunidade. Aceita, acolhe o teu sentimento, mas se sente livre para mudar pra um arrependimento ou, pior, a ir embora. Veja bem, a frase “o Amor aceita tudo” já passou da hora de ser ressignificada. Chegou o momento de valorizar o que realmente importa e, ainda que se fique triste, que a dor não defina nossos próximos passos. O Amor que aceita tudo é o mesmo que sabe das voltas que o Mundo dá e da Lei do Retorno. Ele não esperneia por quem não quer ficar, mas para quem o trata bem ele abre seus braços e transforma uma vida em lar.

( Gustavo Lacombe )

Quer me ler mais? Acesse http://www.gustavolacombe.com.br/livros e adquira meus livros! 😉

Imagem

Você é Bonita de Qualquer Jeito

tumblr_lih6p8y3A71qg48v2o1_500_large

Mulheres dizem que o homem não entende quando ela precisa de mais tempo para se arrumar. Besteira. Qualquer homem que repare na mulher que ama vai entender que é preciso alguns minutos a mais para completar todo o visual.

Independentemente da ocasião.

Claro que para assuntos mais corriqueiros a exigência não é a mesma, mas há sempre aquela mulher que só sai de casa de rímel e batom. Ou que se esquecer de passar perfume sente-se pior do que estar sem o celular. Tá bom, exagerei.

O que quero dizer, no final das contas, que basta o homem conhecer sua pequena bem para entender que ela precisa daquele tempo para se sentir completa. E que isso, então, inclui ficar cheirosa, maquiada, bem vestida: bonita. Poder sair de casa e estar bem consigo mesma.

E, por que não?, pra nós homens também.

Claro que o homem entende quando é preciso mais cinco minutinhos – ainda que pareça uma eternidade. Porque ele olha e pode notar algo faltando na mulher que ama. E quando ela começar a se queixar de que esqueceu isso ou aquilo, responde da maneira mais verdadeira e clichê que existe.

Você é bonita de qualquer jeito, meu bem.

[ Gustavo Lacombe ]

http://www.facebook.com/GustavoLacombeTextos
@glacombetextos

Imagem

Não Esquece Nada

0090_rawphotodesign_eolia-mansion600x

Não esquece o porta-retrato.

Leva tudo. Leva teu sorriso, teu cheiro. Inclusive as lembranças que o que me fez de bom vão insistir em querer ficar. Não quero nada. Hoje, não. Qualquer coisa, deixa numa caixa e esconde no armário. Ah, não esquece suas roupas. Nada de deixar uma peça pra trás só pra me fazer ter saudade. Ou tentar me fazer ter saudade. Não terei. Serei apenas a certeza de que me abrir e expor demais é perigoso. Sabe lá Deus quando eu farei isso novamente.
Se eu me tornar uma pessoa mais fria, a culpa é toda sua.
Não quero deixar uma frase de efeito no final. Aliás, quem conhecia nós dois como casal sabia que esse desfecho era o único que eu não imaginava para nós dois. As variáveis possíveis se apoiavam em números. Quantidade de filhos, de cachorros e de filmes para assistirmos juntos. Ou de quilômetros percorridos em viagens intermináveis e sem planejamento que sonhávamos em fazer. E agora tudo rui. Desmorona. Tudo virou um grande “por quê?”.
Por que fez isso comigo? Por que me deixou sentir bem mais do que eu deveria? Por que não foi sincero? Por que me entregou um amor tão bonito para depois voltar com algo tão cruel? Por que fez planos e promessas? Por que usar de mentira a quem lhe entregava confiança? Estou naquela posição em que as perguntas nada mais são que o martírio de encarar a verdade: eu ainda não consigo te perdoar. E nem ao menos quero ter vontade de um dia fazer isso.
Talvez tenha sido minha própria culpa. Você não deve saber o peso que tem me olhar no espelho e me perguntar “onde foi que eu errei?”. Não, você não tem. Você deve dizer por aí simplesmente que acabou. Que, agora, voltou pra vida de solteiro. Deve, inclusive, dizer a alguns amigos meus que se arrepende de algumas coisas, mas que a vida é assim mesmo. E, ainda que fale em voltar, você mesmo sabe que não quer isso.
Só que é mais fácil fazer a cena. Amor digno de Oscar.
Não esquece nada, tá? Ou melhor, esquece que um dia eu deixei você se instalar na minha vida e conhecer tanto de mim. De todos os medos, todos os segredos, todas as vontades, todas as dores, todos os amores, todos os pudores, todos os projetos, tudo que era sonho, tudo que era concreto, de tudo um pouco que eu guardava em mim tinha você. Ou como aprimoramento ou como solução. Não importava. Éramos casal. Hoje, não somos nada. Nem um ponto final.
Isso eu também não quero lembrar, mas esse “por quê?” eu sei.
[ Gustavo Lacombe ]
instagram = @glacombetextos
Imagem

De Tudo um Pouco

20140403-134225.jpg

Acho que toda mulher tem sua hora pra ser fofa ou fria, menina ou mulherão, carente ou independente. Algumas tem uma queda maior por um lado, mas é certo que vivem de fase, mesmo que seja apenas para culpar a TPM. Há de tudo um pouco dentro de uma mulher. Ou, melhor, em todas há muito. Do sutiã de bolinha à lingerie preta que dá tesão em qualquer cara, sou a favor dela ser como quiser – contanto que seja bem resolvida com isso. O que acho não ser entendido muito bem pelos homens é o fato de que a mulher nunca é uma só. Existem várias dentro dela, e cada uma tem uma necessidade, uma vontade e uma urgência diferente. Ela pode querer amar, abraçar e ficar de conchinha. Ela pode querer dar, se arrumar e sair pela porta da cozinha. E ela pode não querer porra nenhuma. Sendo bem sincero, homem detesta encontrar uma mulher que não precisa dele. Mas é exatamente esse tipo de mulher que mais atrai muito cara por aí. Por que eu falei em tipos? Mulheres são plurais, mulheres são constelações inteiras, mulheres são todas as cores disponíveis no mundo – inclusive aquelas que não se vêem. Namora-se uma, convive-se com várias. Abençoadas estranhas infinitudes.

(Gustavo Lacombe)

http://www.facebook.com/GustavoLacombeTextos

Rabo de Cavalo

20140312-191943.jpg

Eu gosto de você de rabo de cavalo.

E, também, depois que acorda, sem maquiagem, com uma lágrima de felicidade, com o corte do dedo na boca, procurando a chave na bolsa, de chinelo, dormindo no meio do filme, chorando no meio do filme, tropeçando e me segurando pra não cair, com cara de quem não entendeu, com raivinha porque a unha quebrou, porque o cabelo não tá em um dia bom, cantando no chuveiro mesmo desafinada, tentando tocar o meu violão, de madrugada com sono, meio alegre depois de um drink, meio inconformada com o final da novela, chateada com o meu futebol, lambuzada do brigadeiro que fez pra gente, respondendo a mensagem faltando palavra porque tá com atenção em outra coisa, demorando pra se arrumar porque está ficando linda pra gente sair, sem saber que roupa vestir, dizendo que o sapato da outra menina é horroroso, comendo sanduíche e manchando a roupa, comendo sushi e sujando de shoyo, dizendo que tá gorda na frente do espelho e sabendo que tá bem, fazendo cara de assustada quando te pego de repente e te chamo gostosa, quando reclama que não abri a porta do carro pra você, quando diz que não precisa abrir a porta pra você, quando bota aquele pijama sexy, quando reclama que eu não escrevo mais pra você, cortando tomate pra fazer vinagrete, queimando o pão de queijo de domingo, falando pra eu ficar quando vou embora, vindo conversar comigo depois de brigar com seus pais, contando suas viagens, seus sonhos, seus desejos, pedindo pra eu cantar pra você, deitando na cama pra colocar uma calça que entraria facilmente com você em pé, concentrada se maquiando, reclamando que eu não te ligo, cobrando atenção, dormindo de conchinha comigo, sonhando comigo, acordando comigo.

Eu gosto muito de você de rabo de cavalo.

(Gustavo Lacombe)

http://www.facebook.com/GustavoLacombeTextos
instagram: @glacombetextos
twitter: @guslacombe

A Lenta

20140309-094952.jpg

A dor cicatriza lenta. Ou pode ser que nem cicatrize. Que fique. Exposta pelo sentimento que por vezes volta. A dor, ainda que superada e não mais lembrada, lateja quando chega o período da invernada. E nada apaga. Nem sabão, nem outra experiência, nem perda de memória. Nada. Sabe-se que ela lá esteve, lá fez estrago e que de lá arrancou pedaço. Grite se quiser, suporte o quanto der, mas não ignore-a. Há quem tire lições, tire proveito. Há quem saiba entender direito que o doer é normal e todos estamos suscetíveis a isso. Resta saber quem será a dor excepcional ao ponto de conseguir perdoá-la, quere-la e, quem sabe, ainda amá-la. Vagarosa em seu passo sem pressa nenhuma, engana aquele que ao álcool se entrega. Se fosse assim tão fácil… Quem dera! Depois de instalada, exige tempo ao tempo. Mas quem sabe ao certo quanto levará o mesmo? Fica-se sentindo o pré-sentimento de ter certeza que ela nunca passará. Só que passa. Inevitavelmente passa – tomara -, ainda que não se apague. Dor que é dor apenas se resguarda para doer na hora certa. Pra ela. Pra gente, é sempre na hora errada. De todo tipo de dor, a pior é aquela que esmaga, aperta e aflige o coração. Essa, então! Faz do homem peão, da mulher escravidão e vice-versa sem medo. Faz o que quiser. E, por mais repetitivo que pareça, cicatriza lenta.

Ou pode ser que nem cicatrize.

(Gustavo Lacombe)

http://www.facebook.com/GustavoLacombeTextos

Imagem

Centro do Universo

tumblr_lr2iwvGGx21qcbtufo1_500

Não faça de um amor o centro do Universo.

Sei que existem pessoas que não conseguem viver sozinhas. Precisam ter sempre alguém ao lado para suprir uma espécie de carência, de necessidade e vontade. Transformam um relacionamento, por mais prejudicial que seja, numa tábua de salvação e chave para que todo o resto dê certo. Uma vida amorosa bem resolvida é bom e pode ajudar a resolver outras questões, mas não é bem assim que funciona.

Ter em alguém um apoio, um amigo e quem ajude a construir uma história é totalmente diferente de apenas ter uma pessoa pra chamar de “meu alguma coisa”. Antes de rotular qualquer relação, precisa-se avaliar se o bem é verdadeiro ou não. Sofrer por alguém é inevitável, mas sempre terá por quem valha a pena passar por momentos ruins.

Porque passar por certas experiências, ainda que ruins, pode fortalecer qualquer relação.

Entretanto, jogar fora projetos, sonhos e conquistas por conta de uma pessoa é loucura. Não deixe de fazer nada porque seu namorado acha um atraso. Acredite, mesmo sua mulher falando que é perda de tempo. Ninguém pode mudar seu rumo por simples capricho. Dificuldades existem aos montes, mas quem te ama vai apoiar. Pode ser que não entenda e tenha opinião diferente da sua, mas estará ao seu lado até o fim. Nem que seja pra dizer “eu falei”.

As histórias que dão certo são aquelas em que os dois se fazem bem, com eventuais e inevitáveis cortes, mas fortes o suficiente para se reerguerem sempre sem perder o foco na vitória e a fé no outro, no amor e na vida.

(Gustavo Lacombe)

http://www.facebook.com/GustavoLacombeTextos

Imagem

No Seu Lugar

tumblr_ldxyxtbuL41qdg1pto1_500

Coloque-se no lugar dos outros em alguns momentos.

Não é fácil. É preciso realmente abrir o peito para entender que certas coisas parecem inofensivas aqui, mas machucam demais do lado de lá. Pare, ouça e compreenda. Pode ser que apenas na gota d’água você tome uma atitude e procure uma mudança. Pode ser que dê certo, dê resultado.

Pode ser que seja tarde demais. Vai chegar uma hora que pensar em como seus atos afetam aquela determinada pessoa será ineficaz. E é assim porque ela não quer mais que você entenda. Ela seguiu e decidiu que não adianta mais explicar o que incomoda, o que chateia e o que irrita. Ou tudo junto.

Você, simplesmente, não entende.

Olhe pro lado. Reveja seus erros – por mais que eles pareçam acertos. Revise os comentários maldosos – por mais que eles tenham soado bons. Não tenha medo de pedir desculpa nem de mudar de opinião sobre o que foi feito. Não se apegue ao receio de procurar e mostrar que o arrependimento bate à porta de vez em quando. Orgulho demais acaba te deixando com oportunidades e vida de menos.

E, se alguém disser que você não sabe metade do que se passa com ela, tenha certeza de que é verdade. Mas, com esforço, será sempre possível largar o egoísmo e, ao menos, tentar entender.

Antes que o entendimento já não seja preciso.

(Gustavo Lacombe)

Imagem

La Critique

tumblr_lnq5xzOket1qeew2bo1_500_large

Antes eu preferia ignorar.

Abaixava a cabeça, fechava os ouvidos e me irritava no segundo seguinte ao ouvir aquilo tudo. Críticas… Nem todo mundo está preparado para ouvi-las. Pior, não é qualquer pessoa que está acostumado a recebê-las e transformá-las em algo melhor em si mesmo. Até porque, nem toda crítica é construtiva. Tem gente que abre a boca pra falar mal (quase difamar) só porque não é capaz de fazer igual.

Acho que esse é o tipo mais comum, inclusive.

Entretanto, sempre tem alguém que olha os seus defeitos e te mostra onde se pode corrigir alguma falha. Isso e mais um monte de defeitos todos nós temos. Não é privilégio de ninguém ser isso ou aquilo, mas algumas pessoas buscam ser diferentes justamente para conviver melhor com outras. E quando alguém nos aponta algo de ruim de forma verdadeira e com amor e carinho, não há porque se irritar ou desprezar. Claro, podemos escolher entre absorver e buscar algo diferente ou fingir que não é conosco e pronto.

Vai de cada um e da necessidade de mudança.

Uma hora se aprende que nem tudo que toca uma ferida é pra machucar. Algumas vezes, é só alguém que está disposto a cuidar, mas sem ficar passando a mão na cabeça como se tudo estivesse bem.

(Gustavo Lacombe)

Imagem

Preserve-se

tumblr_kyioac6vus1qzl6mbo1_500_large

Se eu fosse você, continuaria me preservando. Sabe por quê? Porque se entregar ao amor é doloroso. A gente dá a cara pra bater e apanha, sendo recíproco ou não. Até mesmo quando correspondido, a outra pessoa desliza, comete um erro. Quem nunca erra? Me diz. Quem é tão perfeito assim que não provoca uma briga, não sente um ciúme? Acaba, num momento infeliz, falando ou fazendo uma besteira? Quem?

Fica na sua, procura outra pessoa. Esse que tá aí atrás de você? Esquece! Quem desperdiçou uma chance não merece a segunda. principalmente se você ainda sente alguma coisa. Porque ela sabe, e vai continuar agindo do mesmo modo. Quem acredita que o outro mudou é otário. Ninguém muda! Somos todos iguais na essência e nos mantemos os mesmos. Vide ele: egoísta, mau caráter e um bom mentiroso.

Nunca mudará.

Aproveita e apaga o que vocês já passaram. Até as lições. Tanta coisa pra você guardar e vai levar as burradas que foram feitas só pra, lá na frente, lembrar dele? É, porque se você se recordar da situação, vai acabar lembrando dele. Então, arranca tudo de vez. O que foi bom, o que foi ruim e o mais ou menos. Ninguém precisa de coisas mais ou menos ou mornas.

Agora, eu tô falando o que eu faria. Mas, você sabe, conselho se fosse bom, a gente venderia. E eu to falando isso tudo porque eu gosto de você e não quero te ver sofrendo. Continue, cara. Se preserve. Porque o amor – essa coisa nociva que faz a gente dar segundas chances a quem não presta – só serve pra nos fazer quebrar a cara. De novo, de novo e de novo.

Não insista. Preserve-se.

(Gustavo Lacombe)