A experiência do Amor é única. Você não pode querer socar dentro do outro o que você acha que é mais apropriado pro relacionamento dele. E assim como você também não vai querer muita gente dando pitaco, melhor não atrapalhar ninguém, né?

VEM ME ASSISTIR! Vamos pensar junto no empirismo do Amor!

Me siga também nas outras redes:
instagram – @glacombetextos e @depoisdazerohora
twitter – @guslacombe
tumblr – gustavolacombe.tumblr.com

Com você eu vivo, Sem você sobrevivo.

  

Eu poderia muito bem viver sem você. 

Não sou daqueles que chega ao ápice do drama e diz que “eu não vivo sem você”. Vivo, só não faço isso muito bem. Sobrevivo. Sou capaz de levar alguns dias em seqüência sem que sequer me dê conta da sua falta, mas inevitavelmente uma hora a conta chega. Procuro alguém pra contar minhas besteiras, pensar comigo os assuntos e dividir coisas novas. Não acho ninguém. 

Não é que eu busque você em outras pessoas, tente achar as suas qualidades e defeitos num novo encontro. Nada disso. É que me falta você. Para o bom e para o ruim, para a alegria e para a tristeza, para o dia a dia e para os planos. Sim, já disse que poderia passar por tudo sem a sua presença novamente aqui. Ainda respiro, ainda busco meus objetivos, ainda trilho meus próprios caminhos e assim vou vivendo, mas de mão de dada com meu ego. 

Aliás, travo brigas homéricas com ele sobre se devo ou não te procurar. Quanto mais eu digo que quero, mas ele me nega a necessidade disso. Minha cabeça me faz imaginar meu corpo em outros abraços, mas sempre acabo fantasiando tudo contigo no final. Eu estou levando, só não estou fazendo isso muito bem. Por mais que alguns dias sejam bons, percebo que eles são todos muito iguais. Falta a graça da coisa. 

Viver sem você eu até consigo, mas é que a vida é muito melhor com você aqui perto de mim.

[ Gustavo Lacombe ]

Me siga! Instagram: @glacombetextos / Twitter: @guslacombe

Quer ler mais de mim? Meu livro pode ser adquirido aqui: http://www.bitly.com/LivroLacombe

Rabo de Cavalo

20140312-191943.jpg

Eu gosto de você de rabo de cavalo.

E, também, depois que acorda, sem maquiagem, com uma lágrima de felicidade, com o corte do dedo na boca, procurando a chave na bolsa, de chinelo, dormindo no meio do filme, chorando no meio do filme, tropeçando e me segurando pra não cair, com cara de quem não entendeu, com raivinha porque a unha quebrou, porque o cabelo não tá em um dia bom, cantando no chuveiro mesmo desafinada, tentando tocar o meu violão, de madrugada com sono, meio alegre depois de um drink, meio inconformada com o final da novela, chateada com o meu futebol, lambuzada do brigadeiro que fez pra gente, respondendo a mensagem faltando palavra porque tá com atenção em outra coisa, demorando pra se arrumar porque está ficando linda pra gente sair, sem saber que roupa vestir, dizendo que o sapato da outra menina é horroroso, comendo sanduíche e manchando a roupa, comendo sushi e sujando de shoyo, dizendo que tá gorda na frente do espelho e sabendo que tá bem, fazendo cara de assustada quando te pego de repente e te chamo gostosa, quando reclama que não abri a porta do carro pra você, quando diz que não precisa abrir a porta pra você, quando bota aquele pijama sexy, quando reclama que eu não escrevo mais pra você, cortando tomate pra fazer vinagrete, queimando o pão de queijo de domingo, falando pra eu ficar quando vou embora, vindo conversar comigo depois de brigar com seus pais, contando suas viagens, seus sonhos, seus desejos, pedindo pra eu cantar pra você, deitando na cama pra colocar uma calça que entraria facilmente com você em pé, concentrada se maquiando, reclamando que eu não te ligo, cobrando atenção, dormindo de conchinha comigo, sonhando comigo, acordando comigo.

Eu gosto muito de você de rabo de cavalo.

(Gustavo Lacombe)

http://www.facebook.com/GustavoLacombeTextos
instagram: @glacombetextos
twitter: @guslacombe