Imagem

Seja Feliz. De Preferência Hoje.

  

Vivemos esperando a hora certa. 

Não, aquele vestido agora não. Estou gorda. Não, aquele chopp agora não. Preciso perder os quilinhos que marcam a minha blusa. Não, aquele investimento agora não. Preciso ter mais certeza de que é isso mesmo que eu quero. Nisso de vivermos esperando o timing certo das coisas, perdemos o timing da vida. Impomos condições para que possamos sorrir. E nunca sorrimos.

Postergamos a felicidade para um “eu do futuro” que, quando olha para o nosso “eu do passado”, sempre se pergunta: por que diabos não começamos a ser felizes antes? Por que não adiantamos logo os sorrisos e entendemos, de uma vez por todas, que a felicidade não pode ser programada? Ninguém sabe do porvir. Cansamos de fazer planos e vermos a vida mudar todos eles de repente. E aqueles sonhos que insistem em ficar por várias vezes se tornam frustrações. 

Isso acontece não só porque passamos a achar que nunca conseguiremos alcançá-los, mas por nós darmos conta de que não fazemos nada no presente para tirá-los da cabeça e transformá-los em ações. Não quero que as pessoas ajam mais por impulso ou se precipitem, só acho que temos de parar de adiar nosso próprio bem. 

A felicidade não pode ser uma utopia, uma idealização que só será real quando o espelho disser que você está magro, quando seu chefe finalmente te der um aumento ou só quando você trocar de carro. A felicidade tem que ser sentida. É aquele abraço apertado de um amigo, um beijo de alguém amado, um domingo pra não fazer nada ou ter com quem dividir a sexta. Aliás, felicidade pode ser até um ombro amigo para chorar as tristezas, mas é bem mais que “ter”. Ninguém é dono da Felicidade. 

A questão não é de ter, mas de ser. De preferência hoje.

[ Gustavo Lacombe ]

Compre aqui meu livro: http://www.bitly.com/LivroLacombe

Nunca Homem-Bomba

Não sei se é medo da vida ou da morte, mas algo parece querer me prender no dia de hoje. Fico torcendo para que os erros fiquem no passado e que o amanhã demore a chegar. Deve ser minha síndrome de Peter Pan. Crescer? Para quê? Só pra ter mais responsabilidades do que aquelas que eu já não consigo cumprir? Escolher uma profissão, ganhar dinheiro, ser o orgulho de alguém… Tempo, façamos um acordo: congela aí um pouco. Meus sonhos estão mais longe do que um simples fechar dos olhos e encontrá-los. E toda a coragem que eu tinha pra fazer alguma coisa parece canalizar pro medo de ser um fracassado. Medo que me prende, ata-me os pés e não deixa seguir para lugar nenhum. Não vou mentir e, talvez, eu nunca tenha contado nada disso para ninguém: sabe por que eu não me torno um suicida? Porque eu sou tão covarde que não tiraria minha própria vida. Eu não tenho vocação para homem-bomba. Eu prefiro ser o cara que sabe onde vai rolar uma explosão e vai lá para ser um coitado, mais uma vítima. Bancar a vítima é comigo mesmo. Logo eu, que tanto falo de sonho, decretei a morte dos meus e só enxergo breu no dia de amanhã. Enquanto mais do que o necessário de gente se preocupa comigo, eu não sei como retribuir. Poucos amigos, pouca diferença no mundo. Se fosse varrido nem perceberiam que o chão ficou mais limpo. É assim que eu me sinto. Vocação pra ser fumaça, nunca bomba. Nunca homem-bomba.

( Gustavo Lacombe )