Imagem

Guarde suas Desculpas Para a Próxima Trouxa

Se você não me quer mais, é só me dizer. É só me ligar. Ou, no estágio que a gente está, manda uma mensagem. Diz com letras garrafais “APENAS NÃO TE QUERO MAIS”. É melhor que ficarmos nessa situação. E eu não vou morrer, sabe. Já lidei com coisa pior. Você bem sabe todos os perrengues e outras desilusões que eu passei. Enfrentar a rejeição pode ser um exercício até interessante pro meu coração. Contigo tem um quê de diferente. Revejo sem medo os meus passos, refaço os nossos hiatos e sinto que nesse caminho eu fiz tudo que pude. Tudo. Fiz o que podia e o que não devia pra te mostrar que eu era a “certa”, mas isso é tão relativo que eu posso, na verdade, ter sido só mais uma idiota errada no seu caminho. Só que se você se arrepender, amigo, peço que Deus te ajude. Peço que Deus te conforte e que a cama seja um lugar bem confortável pra você chorar. Eu vou seguir a minha Vida e te deixar pra trás. Não vou dizer a volta é impossível, mas é preciso tirar coisas boas de onde você vê-las. E eu não vejo mais nada de bom em nós. Choro, sim, por todo tempo desperdiçado. Só que aprendi que o que fica é o aprendizado. O fica são os momentos bons vividos e até se consegue fazer um filtro. Não vale a pena carrega nenhuma mágoa. Queria muito poder dizer que as minhas lágrimas são como aquela música do Paralamas. Por ninguém. Idiota, é por nós dois também. Não, nunca te cobrei um alfinete ou uma satisfação. Você fazia o que queria, dizia o que devia e seguíamos certos de que estávamos fazendo bem um pro outro. Até que não fez mais bem pra mim. Pode guardar o que pintar de saudade como nossa única recordação. Sei que fui boba até uma certa parte. Acreditei que comigo ia ser diferente, mas espero que a próxima trouxa não se importe em dar de cara com alguém tão covarde que diz o que sente, só que não assume em atitudes nem sequer a metade. 

[ Gustavo Lacombe ]

Quer me ler mais?
Compre meus livros aqui:
bit.do/Lacombe

Imagem

#Clube: Todo Homem é Bom de Cama

Desafio qualquer pessoa a encontrar um homem que admita “eu sou ruim de cama”. Desafio e deixo aqui meu exagero em dizer que, encontrando um exemplar desta linda espécie que se autodeclare pertencedor de uma baixa performance sexual, eu publico as próximas edições deste livro com o nome do sujeito. E ainda lhe dou os devidos créditos e espaço para refutar minha tese, só pela sua mea culpa.

Duvido muito que encontrem.

E não digo que ninguém encontrará um cidadão que fale isto porque este tem medo de passar por alguma possível vergonha. Digo isto porque sei da soberba que todo cara tem ao julgar a si mesmo. Sei que todos eles poderiam estrelar dezenas de filmes pornôs – filmados na mesma semana, inclusive. Sei que todos pensam possuir um condicionamento físico invejável, comparado apenas ao de um jovem maratonista. Sei que são todos verdadeiros atletas do sexo.

Sei que muitos já tiram a roupa pensando “vou fazer as coisas mais loucas que ela nunca fez”. E gozam antes de fazer tudo de mais básico que elas gostariam que tivesse sido feito. Sei que muito garotinho é criado para pensar que ele é o resultado de anos de evolução humana, resumida no ato de tirar a camisa com uma música de propaganda ao fundo, fazendo carão pra garota e dizendo “você não perde por esperar, meu bem”.

Essa é a verdade: todo homem se acha bom de cama.

Fico triste, obviamente, pelas namoradas ou ficantes de amigos quando eles descrevem qualquer noite como “foi foda! Gozei umas três vezes e acabei com ela!”. Não quero a visão romântica do sutiã se desprendendo do corpo e indo ao chão. Não quero os detalhes sórdidos de como cada um fez seu oral. Queria apenas ouvir um “foi bom demais, foi uma troca, foi uma noite em que cada um se deu como podia”.

Aliás, até quero um clichê aqui ou ali. Quero que esse cara pense na chance maravilhosa que está tendo de viver aquilo e entender que, por mais que seja uma mera atração física, existe uma obrigação de tornar aquilo tudo divertido. Na minha cabeça, pode até não ter amor, mas é preciso um mínimo de dedicação em fazer gostoso.

Talvez algum homem aqui torça o nariz. Até porque, nenhum deles vai chegar dizendo alguma verdade parecida com “ah cara, gozei três vezes, foi bacana, mas no final eu não consegui fazê-la gozar também. Fiquei bem chateado com isso”. E não falam porque, na cabeça de muitos deles, basta ficar por cima como se fosse uma britadeira e ouvir a mulher gemer alto. Isso já é algo satisfatório e que corrobora a visão de que eles são bons nisso.

É por essas e outras que eu adoro o ditado “não finja o seu orgasmo, deixe o cara saber que ele transa mal”. Isso, então, se torna quase um apelo: não finja que está sendo bom quando, na verdade, está sendo uma merda. Não faça de contas que a casa está caindo quando nem a cama está rangendo direito. Um orgasmo falso pode até significar o afago no ego de quem se ama, mas pode ser a continuação da arrogância atrasada de outro.

Acredito que é uma via de mão-dupla.

Homens precisam parar de ir pra cama pensando apenas no próprio pinto. Acho que precisam e devem conversar com quem dividem a cama e o prazer. Mulheres podem continuar sendo sinceras sem pensarem que a verdade irá machucar. Pode ser esse, enfim, o caminho para termos menos pessoas frustradas em relação ao sexo – ou um número menor de gente se achando por aí.

Imagem

A Raiz é o Respeito

Nenhum relacionamento sobrevive sem respeito. Você pode amar infinitamente uma pessoa, mas se notar que ela não te respeita, certamente não conseguirá ficar. Dizem que o limite do Amor, então, é o Respeito que carregamos por nós mesmos. Claro que, colocando na salada, podemos dar outros nomes como “amor-próprio”, mas a prática é essa mesma: você fica com quem tolera, compreende e aceita muitos dos teus defeitos e manias. E que, também, aprende que cada um é um ser diferente. Somos todos Universo em expansão, mas cada dia é um big bang diferente. Insistir é, sim, prova de que você acredita num namoro, num casamento ou até mesmo num “rolo”, mas tudo chega ao seu limite. Se encontrar com quem se ama e provar de sua recíproca é como viver um carnaval fora de época no coração, se livrar de uma relação tóxica é como fazer um Natal antecipado: é como se dar um presente. Às vezes, não enxergamos que estamos sendo desrespeitados porque estamos envolvidos demais. É aquela velha história de faltar perspectiva quando se acostuma a olhar muito de perto. Temos até quem nos fale, mas as palavras entram por um ouvido e saem por outro com uma velocidade incrível. Ficamos cegos. Juro que fico pensando com um misto de pena e raiva de quem faz o outro perder tempo na Vida desse jeito. Afinal, existem várias formas de não dar respeito a uma pessoa e prendê-la por carência ou algo parecido é uma delas. Você rouba o tempo do outro. Tempo, nossa jóia mais preciosa. Nossa Vida. Mas, se o que restar forem boas lições e o sorriso se mantiver no rosto, bola pra frente. Vamos aprendendo devagarzinho que o carinho e o amor da rotina do “bom dia” ou das fotos tiradas pra posteridade são apenas o florescer de algo bem mais importante e vital numa relação: o respeito. Raiz de todo Amor, Respeito é base pra qualquer que venha a ser o tipo de flor.

[ Gustavo Lacombe ]

Quer me ler mais?
Compre meus livros!
Aqui: bit.do/Lacombe

Imagem

Ame Sem Vergonha

Ame despudoradamente. Ame a ponto de postar nas redes sociais, de gritar da varanda do prédio como final de campeonato. Ame sem restrição de lactose, de glúten ou qualquer outra dieta; entre vocês vale tudo, contanto que seja sincero. Ame sem ficar questionando o tamanho do sentimento do outro, mas sabendo ler na recíproca que essa paixão dá pé. Ou que o afogamento de beijos é a parte mais deliciosa.

Ame sem vergonha. Na mesa do restaurante, evite aqueles beijos com o feijão na boca, mas não se furte de esticar o pescoço e roubar um selinho. Tenho lá minhas implicâncias com quem perde a linha na fila do pão, mas chega a ser inspirador ver um casal principiar uns amassos e um dos dois depois soltar aquele olhar de “continuamos mais tarde”. No quarto. No chuveiro. Em pé na cozinha.

Onde der na telha.

Ame com flores no trabalho, entrando pela porta através daquele entregador que fica com cara de besta e não consegue se acostumar com a cena. A amiga da baia ao lado fica com raiva. Ela não recebe flores há tanto tempo que só se lembra do fato de que foi do ex, mas se esqueceu que foram pedidos de desculpas. Ame até ficar com cara de bocó ao olhar a foto daquela pessoa. Aliás, ame ligando sem querer no whatsapp e diga “tava tentando ver sua foto”.

Chegue ao ponto de amar sem ter tempo para olhar o Instagram. O Snap. O Face. Ame de um jeito que vocês se esqueçam de tirar fotos e que cada segundo compartilhado fique armazenado no principal HD: o coração. Ame brindando, sempre comentando os motivos de estarem felizes naquele exato momento. Não fuja do clichê. Jogue-se nele. Declara-se com “sou feliz porque sou teu” e pronto. Piegas, sim. Cafona, sim. Brega, sim.

Amando, sempre.

Ame, principalmente, sendo sincero consigo. Algo está errado? Fale. Não quer mais? Termine. Sentiu saudade? Ligue. Quer mais? Case. Siga o que manda o instinto, sem vergonha de ser feliz. Ou sem medo algum de arriscar. O maior entrave do amor é o medo. Mude de cidade, de país, de vida, só não deixe que o sentimento mude. E passe. E morra. Ame, também, sem vergonha alguma de se amar tanto quanto. Arrume-se pro outro, cuide-se pra você.

E, depois de tudo isso posto, ame sem preocupação alguma de ser feliz. Apenas seja. Ame sem acreditar que os outros relacionamentos são melhores. Todos temos nossos dias ruins. Ame sem se importar com o que os outro falam, mas sabendo bem o que se passa entre vocês. Ame com respeito, carinho, atenção e tolerância. Ame com vontade. Tesão. Prazer. Ame com todas as suas armas e a guarda baixa. Ame sem vergonha alguma de se sentir bem com isso.

Acima de tudo, nunca ame por dois.

Imagem

Pré-Venda “Depois da Meia Noite” – tudo que você precisa saber

AQUI ESTÁ TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A PRÉ-VENDA DO MEU NOVO LIVRO “DESPOIS DA MEIA NOITE”!

Muitas perguntas tem surgido sobre como procederá a pré-venda. Então, vamos aos fatos e kits e valores e respostas.

Antes de tudo: essa é a pré-venda. Quem adquirir o livro nessa etapa garantirá a reserva do mesmo, que será lançado apenas em MARÇO! Esse é o mesmo esquema que aconteceu com o “O Amor é Para os Raros”.
Ok? Entendidos?

Sobre os kits: serão 4 (QUATRO) kits! Todos estarão disponíveis para COMPRA a partir de 1.1.17 aqui mesmo no site ou na lojinha que eu mesmo irei disponibilizar o link – um deles será o bit.do/Lacombe

Descrição dos KITS e seus respectivos VALORES:

KIT 1) Livro + Marcador de página exclusivo + senha #clube + brinde + SEU NOME NA LISTA DOS AGRADECIMENTOS = R$ 50

KIT 2) kit 1 + PÔSTER AUTOGRAFADO  = R$ 75

KIT 3) kit 2 + VALE ALMOFADA “Depois da Meia Noite” na TOUTS = R$ 150

KIT 4) kit 5 + SEU TEXTO NO LIVRO! = R$ 350 (LIMITADO / Válido de 1 a 10 de Janeiro)

  • TODOS os kits dão direito ao nome na lista de agradecimentos.
  • Brinde é surpresa! Ainda não revelarei!
  • Vou mostrar a caneca e a almofada na semana que vem, mas garanto que estão lindonas!
  • COMO VAI FUNCIONAR O KIT 4?

O kit 6 dá direito a você ter uma história publicada no livro! Como? Simples: vou saber assim que você adquirir esse kit. Ele estará disponível de 1 a 10 de janeiro no site. Entrarei em contato, vou pedir a história e vou escrever BASEADO nela. Vale lembrar que o livro é de textos QUENTES, então a história vai puxar para esse lado, mas nada impede de ter romance, drama, amor e outros elementos. Caso a gente não concorde com o texto final, o dinheiro é DEVOLVIDO INTEGRALMENTE.

Acho que consegui dizer tudo que queria aqui. Caso você ainda tenha alguma dúvida, mande-a para lacombegus@gmail.com e entrarei em contato o mais rápido possível.

A pré-venda ocorrerá ATÉ O DIA 27 DE JANEIRO. Assim, livros adquiridos depois dessa data não terão direito a colocar o nome na lista de agradecimentos. Ok?

É isso! Estou MEGA ANSIOSO! E sei que muita gente também!

Falta pouco!

Imagem

Tive de Deixar Você Partir

Eu vi que não daria mais certo continuar ali, entende? Foi por isso. Sei que você quer compreender meus motivos, mas a resposta era bem simples: não poderia ser tudo aquilo que você sonhou. Eu te via com um sentimento lindo e crescente nas mãos sem poder fazer nada. Minha vontade, certamente, era dizer que te amava. E eu te amava. E ainda amo. E ainda torço pra você se encontre da forma mais linda de todas. Plenamente feliz por estar aqui buscando seus objetivos.

E se alguém te completar, melhor.

Não vou dizer que fiquei bem ao te ver linda e sorridente nas fotos. Por um lado, adorei o vestido novo e saber que você tinha seguido. Foi pra isso que eu me afastei e decidi pelo ponto final. Agora, faz parte do egoísmo humano querer aquela pessoa parada na dele pra sempre. Ainda estou evoluindo e, acredito, tomei uma das decisões mais bem acertadas contigo. Não fui covarde ao abrir mão de tudo, apenas te dei uma nova chance de ficar bem.

Te reencontrar dessa forma agora é um presente pra mim mesmo. Não sei como você recebe essa confissão e não sei se já havia imaginado tudo isso que te digo, mas não haveria outra forma naquela época. E o mais curioso é que você me encontra ao lado de alguém hoje. O que há de diferente nela? Não sei te dizer, mas só posso te agradecer por ter me feito entender que eu estava curado de todas as cicatrizes. Espero não estar sendo cruel ao falar de tudo isso.

Só te desejo o bem.

Repito, entendi que não poderia atrapalhar seu caminho e, por isso, te deixei seguir. Esse foi o melhor jeito de dizer “eu te amo”. Às vezes é preciso colocar um ponto final em algumas histórias para que outras possam acontecer. Desculpa se eu te fiz sofrer. Nunca foi minha intenção. E pelo que vejo hoje no seu sorriso, você está bem melhor.

Melhor porque seguiu.

[ Gustavo Lacombe ]

Quer me ler mais?
Compre meus livros!
Acesse: bit.do/Lacombe

Imagem

Eu Fui Além de Todos os Meus Limites

Eu me entreguei sem pedir nada em troca. Só por você mesmo. Só para fechar os olhos e viver algo que julgava poder ser inesquecível. Estaria mentindo, porém, se não dissesse nada sobre a minha esperança. A que eu acabei cultivando falava no meu ouvido sobre a possibilidade de você realizar que eu era a certa, a que se doava, a que te queria e a que fazia todas as loucuras pra te ver feliz. Não apenas na cama.

Qualquer uma pode se dar desse jeito.

Eu te dei mais. E nunca te cobrei. Só eu sei os limites que ultrapassei pra isso. Talvez agora tudo que digo soe como cobrança, mas não é. É apenas a minha consciência acertando as contas com o meu próprio coração. Desculpa te envolver nesse processo, então. Se eu tentei ser de todas as formas a mulher ideal pra te abrir sorrisos sinceros e colorir a tua Vida, a responsabilidade é inteiramente minha.

Não estava nos meus planos me apaixonar, mas não sou dessas pessoas que sufoca o que sente e cria as chances de se ressentir no futuro. Eu até posso me machucar, mas eu vou até consigo suportar. Até aqui. Até essa linha tênue entre continuar insistindo com essa minha esperança boba ou aceitar de vez que a gente nunca terá nada e que preciso aceitar o tanto que você me dá.

O pouco que você dá.

Não quero, contudo, atirar na sua cara que o carinho é besteira. Não é. O que faz diferença pra mim é a intensidade. Eu já não consigo chamar teu nome no escuro e torcer pra que você acenda a luz e me encontre. E se você quer continuar brincando de cabra-cega, desculpa, mas não é isso que quero. Talvez seja apenas uma falta de sintonia.

Talvez seja eu estragando o que conseguimos levar de forma tão leve até agora. Talvez seja exatamente isso: eu querendo algo que me prenda, você desejando continuar a voar. Eu posso até ter tentado ser a Ideal, mas certamente não sou a mulher que você quer ter agora.

[ Gustavo Lacombe ]

Quer me ler mais?
Encontre meus livros aqui:
bit.do/Lacombe

Imagem

Podemos Ir Para Onde Quisermos

Lembro que uma vez eu te disse que teríamos de enfrentar esses dias e sobreviver à distância. Lembro que minha meta era te manter interessada. Interessada em mim, em estar comigo, no meu papo, no nosso encontro, nos nossos beijos, na nossa verdade. Verdade essa que fomos descobrindo, pouco a pouco, ser as mãos entrelaçadas e os corpos juntos naqueles beijos que nos fazem ficar bambos.

Pernas e risos frouxos.

Recordo também que ousei ao ponto de querer mapear seus sorrisos e te dizer quando e como cada um deles aparecia. Essa visão, da sua boca escancarando os dentes e emitindo aquele som tão característico da sua risada, me faltou por tempo suficiente para eu saber que é exatamente esse som que poderia ouvir em looping. Ad infinitum. Exageradamente repetido na minha rotina.

Sabe, sei que te disse que os outros notaram a minha mudança. Não fui eu quem falou, apenas olharam pra mim e disseram. “Nossa, tem alguma coisa em você de diferente”, chutaram. Acertaram fácil. Minha mudança é a sua chegada. Meu olho brilhando é o teu efeito. Meu mundo ganhando outra cor é tua aquarela de uma nova perspectiva pra tudo. Um horizonte novo se abrindo lenta e gradualmente.

Já te achei, não tenho mais pressa.

E cá estamos nós. Podemos ir aonde quisermos. Agora sei. Sei que não nos apaixonamos de graça, sei que tudo na Vida pode ter um propósito e, se não tiver, podemos tratar de dar propósito à tudo. Se não foi pra me ensinar novamente a sorrir, tenho certeza de que foi algo muito perto disso. E me desculpa se ainda exagero diariamente ao tentar descobrir.

Sei que ainda virão outros dias que teremos de enfrentar, outros medos que teremos de superar e outras distâncias que teremos de suportar, mas se podemos seguir para onde bem entendermos, ficarmos juntos é apenas uma questão de querer. E eu quero. Muito. Quero ir até onde puder. Até onde você quiser.

Simples assim.

[ Gustavo Lacombe ]

Quer me ler mais?
Compre meus livros!
Aqui: bit.do/Lacombe