Ser Gostosa Vai Além do Espelho

Tem dias que ela se sente. Literalmente. Coloca uma roupa mais colada e vai pra night sabendo que está gostosa. Sim, que “está”. Na cabeça dela, ser gostosa ou não é uma questão de dia da semana. É questão de se sentir bem com si mesma. Ela não é do tipo fresca e insegura, mas também não é daquelas que não tem crises. Tem dias ruins às vezes e sabe que toda mulher que se preze os tem.

Aliás, já enfrentou vários dias em que nada servia, que as blusas favoritas marcavam a barriga, que aqueles dois quilos a perder se transformavam em vinte e o quadril parecia enorme. Dias em que tudo parecia dar errado: espinhas brotavam em profusão e ninguém olhava pra ela. Como se fosse um patinho feio.

Quase quebrou o espelho numa dessas vezes.

Nos momentos mais exagerados e de sentimentos aflorados, ainda se deita na cama pra vestir uma calça que entraria mesmo se estivesse de cabeça pra baixo. Ah, e nem pense em lhe desejar um ‘bom dia’. Ela já pensou em botar silicone (e acabou botando), em fazer uma Lipo (e acabou não fazendo), em ter aula quinze vezes na semana com personal (chegou a 10), cortar carboidratos, virar vegetariana (mas adora um bom bife), e até a nunca mais comer chocolate (impossível!).

Ela teve de tentar de tudo um pouco até aprender que esses rompantes nunca passariam. Era dela. E que, na verdade, era preciso primeiro gostar de si mesma, se aceitar. Depois de uma viagem por Barcelona, passou a pensar em si como a Igreja da Sagrada Família: uma obra de arte linda, mas que sempre estaria em permanente construção. Nesse meio tempo, tentou yoga, Pilates, terapia e até aquelas mandalas para colorir.

Tentou ocupar a cabeça e se descobrir entre posições de flor de lótus e canetinhas variadas. Se achou na corrida e nunca mais parou.

Hoje sabe que, nos dias de TPM, vai se sentir horrorosa. Nos outros, pode se sentir a mulher mais deliciosa do planeta com apenas um elogio vindo de quem ama. Brinca dizendo que é complicada, como toda mulher, mas sabe que a beleza está além do espelho e do batom vermelho. Qual seria a graça em ser simples demais?

E não a tente decifrar, ela sempre te engole primeiro.

[ Gustavo Lacombe ]

“Destino, Acaso ou Algo Mais Forte”, meu primeiro livro, pode ser pedido aqui:
http://www.bitly.com/LivroLacombe

Tudo o Que Uma Mulher Deseja

Às vezes, tudo que um mulher quer é que você pergunte o que ela deseja. Como ela deseja. Sem porquês ou pra-quês. Ela simplesmente merece ser atendida, sem questionamentos. A satisfaça. Pronto. Porque não existe nada mais gostoso que uma mulher satisfeita.

Ela, talvez, esteja cansada de ser colocada de lado em certos assuntos. Ou, na cama, enjoada de ser estapeada na bunda ou ter os cabelos quase arrancados pela nuca. Você, claro, pensa que ela gosta disso tudo. Ela geme, ela sorri, mas ela está subjugada. Ela se sujeita a fazer tudo isso porque te ama.

Se entrarmos numa discussão mais maluca aqui, pode ser que cheguemos a conclusão de que quem está por cima sempre manda e quem tá por baixo sempre está dominado. Ainda assim, vai por mim, pergunte o que ela quer. Como ela quer. Não é tão difícil, cara. É mais fácil do que repetir teus gestos programados.

Pode ser bobo. Ela, inclusive, pode até acabar ficando sem graça de responder, mas aos poucos se abrirá. Se ela sentir que é de verdade, se abrirá. É preciso haver uma troca, entende? E se não houver essa troca enquanto vocês dois estiverem ali juntos, já posso garantir que apenas um lado sairá feliz.

E você já se perguntou se ela está feliz?

Já se perguntou se ela goza? De verdade, não de mentirinha pra te agradar e fazer tudo se acabar logo. Não dói perguntar. Não custa. Vire e fale “amor, eu faço o que você quiser”. Talvez ela trave, mas vai passar a dar um outro valor àquilo. Até porque, sendo a sua preocupação verdadeira, isso a fará segura.

Conversem. Dialoguem. Entendam o que cada um pode oferecer e, então, usem suas línguas indiscriminadamente. Dê asas às fantasias dela. Isso não é ser menos homem. Ela não quer uma britadeira em cima dela. Ela quer alguém pra realizar sonhos, loucuras e devaneios com ela.

[ Gustavo Lacombe ]

De Lua, De Fases, Camaleoa, Mulher.

Sou daquelas que adora uma taça de vinho. Esquenta o corpo e alimenta a alma. Mas também curto uma cerveja com os amigos. É capaz de você me encontrar pela noite, rindo e sendo feliz, sem dever nada a ninguém. Aliás, se tem uma coisa que eu odeio é dívida. Nem com meu estômago eu fico em débito. Como o que eu quero, mas sou capaz de economizar e ficar na salada só pra me lambuzar em uma bela sobremesa.

Sou assim, mas nem sempre sou assim…

Vivo em pé de guerra comigo mesma. Tem vezes que pego tudo que digo que sou e repito várias vezes: é só uma fase. E entro em outra. De Lua. Não uma camaleoa, mas uma mulher normal. De fases. Choro, rio, brigo com quem amo e largo de mão quem não gosto. Não deixo que nada trave meu riso. E se pisar no meu pé eu falo mesmo. Gosto de correr, mas não dos problemas.

Acho que o que precisa ser resolvido não pode ser deixado pra amanhã. Mas se for pra trocar um problema por uma balada, pode aumentar o som que eu não tô nem aí. E que ninguém me acorde no dia seguinte. Detesto acordar cedo. Sou dessas de dormir tarde. Talvez essa seja uma coisa que você precisa saber: eu uso os verbos “odiar” e “detestar”. Não faço cerimônia em dizer o que me agrada ou não, mas sei usar isso com educação.

Posso te mandar para qualquer lugar com a mesma classe de quem é servido uma taça de champagne.

Posso gostar de te ter aqui por perto tanto quanto eu gosto de pipoca pra ver um filme na sexta à noite. Mas sábado eu tô na rua. Não espere que eu seja alguém diferente disso. Ou espere… Sou complicada aos olhos de alguns, mas me desenrolo se achar que não vou assustar. Sempre tem quem não aguente conhecer alguém de verdade. Eu só me protejo, acho.

Não sou de abrir a guarda, mas se eu abrir os braços é porque te quero bem aqui.

[ Gustavo Lacombe ]

“Destino, Acaso ou Algo Mais Forte”, meu primeiro livro, pode ser adquirido aqui:
http://www.bitly.com/LivroLacombe

De Tudo um Pouco

20140403-134225.jpg

Acho que toda mulher tem sua hora pra ser fofa ou fria, menina ou mulherão, carente ou independente. Algumas tem uma queda maior por um lado, mas é certo que vivem de fase, mesmo que seja apenas para culpar a TPM. Há de tudo um pouco dentro de uma mulher. Ou, melhor, em todas há muito. Do sutiã de bolinha à lingerie preta que dá tesão em qualquer cara, sou a favor dela ser como quiser – contanto que seja bem resolvida com isso. O que acho não ser entendido muito bem pelos homens é o fato de que a mulher nunca é uma só. Existem várias dentro dela, e cada uma tem uma necessidade, uma vontade e uma urgência diferente. Ela pode querer amar, abraçar e ficar de conchinha. Ela pode querer dar, se arrumar e sair pela porta da cozinha. E ela pode não querer porra nenhuma. Sendo bem sincero, homem detesta encontrar uma mulher que não precisa dele. Mas é exatamente esse tipo de mulher que mais atrai muito cara por aí. Por que eu falei em tipos? Mulheres são plurais, mulheres são constelações inteiras, mulheres são todas as cores disponíveis no mundo – inclusive aquelas que não se vêem. Namora-se uma, convive-se com várias. Abençoadas estranhas infinitudes.

(Gustavo Lacombe)

http://www.facebook.com/GustavoLacombeTextos

Imperfeitos

tumblr_miopydoqoc1r89kqfo1_500

Acredito que todos os homens tenham suas preferências quando o assunto é mulher.

No entanto, tenho certeza também que muitos deles prezam pelo todo se sobrepondo à parte. Mais do que ter uma mulher com bunda, peitos, cintura e pernas dos sonhos, é melhor ter uma mulher real. Uma mulher daquelas que, quando você olha uma vez, não consegue parar. Aí, somando a química do encontro e o interesse dos dois, quaisquer pré-conceitos se vão e o que fica é a realidade de ter e ser de alguém.

Não será importante, então, que o peito seja pequeno e não encha a mão, que a barriga não seja retinha e até tenha um “pneuzinho”, ou que ela tenha uma estria aqui ou celulite ali. É ela. E qual homem também não tem os seus defeitos?

Somos todos uns imperfeitos procurando se completar no encaixe com o outro.

(Gustavo Lacombe)